Archive for the Disse-O-Mario Category

cuiabá n precisa da mangueira, nem da copa.

Posted in Arte Pantanal, copa2014, Disse-O-Mario, Política Cultural, Ruas de Cuiabá with tags , , , on 12/02/2013 by mariolimpio

Imagema decisão de encomendar e pagar a “homenagem” da mangueira a cuiabá é uma decisão provinciana, típica do complexo de vira latas que o nelson rodrigues cunhou no seu famoso texto sobre o “medo” que a nação brasileira tinha de se sentir grande.

cuiabá nasceu cosmopolita e continua sendo cosmopolita, mas parece que as pessoas só irão perceber isso se as pessoas de “fora” autenticarem a beleza e a originalidade da cultura e da natureza deste lugar.

não falo em louvação positivista ou em saudosismo e ufanismo nacionalista.

falo nas pessoas perceberem que o lugar onde vivem é o lugar onde exercitam e desenvolvem as suas existências.

se cuiabá tem lixo e buracos e odores e outros que mais é porque as pessoas que moram aqui fazem com que a cidade seja assim.

é o sentimento colonialista que acha que cuiabá tem que ser cantada em verso e prosa e samba por uma escola de carnaval para “divulgar” a beleza e o charme da cultura e da natureza cuiabana.

é o mesmo sentimento colonialista que acha que precisamos ter uma copa do mundo aqui para “mostrar para o mundo” o potencial de cuiabá.

isto é uma estupidez colonizadora.

cuiabá tem que ser boa para as pessoas que vivem aqui.

tem que ser justa.

e honesta.

e agradável.

para as pessoas que vivem aqui.

sendo assim, a cidade será boa para os que vierem nos visitar tb.

tudo o que a mangueira fez foi reafirmar estereótipos das nossas mazelas.

e foi uma estupidez colonizadora que fez o prefeito chico galindo investir mais de 3 milhões de reais numa bobagem marqueteira de resultados prá lá de questionáveis, ao invés de investir nas imensas possibilidades culturais da cidade, o que seria uma prestação de serviço para as pessoas que pagam os impostos.

com esse projeto da mangueira, chico galindo prestou um grande desserviço à cultura cuiabana, bem ao estilo colonizador e etnocêntrico.

um pena.

nada contra a mangueira.

que é linda e sabe fazer carnaval.

cuiabá não precisa da mangueria e nem da copa prá continuar sendo a cuiabá tricentenária que amamos. cuiabá precisa de amor e respeito.

Anúncios

Mazagão, mestre conselheiro.

Posted in Arte Pantanal, Disse-O-Mario with tags , , , , , on 15/06/2011 by mariolimpio

Criação do Sitó.

Política da boa vizinhança.

Posted in Disse-O-Mario, Ruas de Cuiabá with tags , , on 04/06/2011 by mariolimpio

E assim a gente vai se encontrando.

Sonho.

Posted in Disse-O-Mario, Ruas de Cuiabá with tags , , , , on 18/05/2011 by mariolimpio

Disse que faria uma brincadeira. Pois bem, primeiro postei fotos de Cuiabá nos anos 70 e agora posto imagens dos projetos que a Copa do Mundo traria prá Cuiabá. Recorro novamente ao Priberam para explicar: sonho (ô) (latim somnium, -ii) s. m. 1. Conjunto de ideias e de imagens que se apresentam ao espírito durante o sono. 2. Fig. Utopia; imaginação sem fundamento; fantasia; devaneio; ilusão; felicidade; que dura pouco; esperanças vãs; ideias quiméricas. 3. Culin. Bolo muito fofo, de farinha e ovos, frito e depois geralmente passado por calda de açúcar ou polvilhado com açúcar e canela. = filhó, filhós. Plural: sonhos (ô). 

 

Trincheira da Jurumirim. Vai sonhando.

  

Trevo do 0 km, VG. Vai atrapalhar a diversão por ali.

 

 

Trincheira do Verdão.

 

Por enquanto, a única realidade.

 

Sodrezinho

Posted in Disse-O-Mario with tags , , , , on 20/02/2011 by mariolimpio

Adquiri o Antonio Sodré por conta do Adir, lá nos inícios dos 80.

Depois, entramos no mesmo período na UFMT. Ele em Letras e eu, Adir, Adriângelo, João Ormond, Heitor Rocha e outros cachorros loucos em História. A passagem pela federal foi decisiva. Nos enveredamos rumo à política e à arte.

Sodré agrupou-se com o Caximir e fizeram história nas noites do baixo Coxipó fazendo arte num tempo em que leis de incentivo à cultura era nada mais que nada. A arte inconformada, questionadora, irreverente, iconoclasta, como deve ser, num tempo em que não se conhecia o clientelismo e o funcionalismo cultural criado pelo Estado patriarcal, pós Lei Sarney.

Nossos caminhos nunca mais se descruzaram. Mais tarde tive o prazer de produzir a publicação do “Empório Poético”, o seu primeiro livro  pós “Besta Poética”, produzido by tecnologia mimeografada.

Quando jovem a gente idealiza o futuro. Depois descobre que o futuro nos realiza.

Antonio morre jovem. Com 51 anos. Numa lista de 10 pessoas que eu acho que vão morrer logo, incluindo eu mesmo, nunca colocaria o Sodrezinho. Rígido com a comida – era um dos motivos de briga na mesa da família, entre ele e o Adir -, caminhante feroz (quem nunca o viu andando com o inseparável guarda chuvas?), levava uma vida espartana. Quem poderia imaginar o seu coração falhando?

Falhou. E parou. Sodrezinho foi-se transmutar.

Deixa com a gente o que de melhor seu coração produziu: arte.

Além de poeta, era desenhista. Uma face pouco conhecida. Lorenzo publica aqui http://tyrannusmelancholicus.blogspot.com/ belas fotos do Sodrezinho, e algumas poesias.

Então eu publico um desenho intrigante, que é lido de forma diferente quando horizontal ou vertical.

Sodré, fique com Deus.

Vertical

Horizontal

Polifásico

Posted in Disse-O-Mario with tags , , , , on 16/02/2011 by mariolimpio

Nada de fio terra.

Pois é.

Coisa da Cajú que está me lançando como DJ.

Eu pensei: se o macaco pode, pq não eu.

Vou brincar um pouco nesta sexta feira, na Casa Fora do Eixo.

Garanto flexibilidade e contemporaneidade.

Polifásico sem fio terra.

Brasil Futebol Clube

Posted in Disse-O-Mario with tags , , , , on 07/01/2011 by mariolimpio
o jogo é esse mesmo.
o futebol é jogado nas quatro linhas.
mas, o negócio do futebol é jogado no marketing.
no período de férias das quatro linhas,
nenhum outro assunto foi tão divulgado no Brasil quanto a novela Ronaldinho.
 
os times que se apresentaram para o jogo de marketing,
todos têm as suas razões publicitárias.
a mídia tem as suas razões.
 
na hora que a bola rolar,
se o Ronaldinho mostrar futebol nas quatro linhas
tudo se esquece.
não é a toa que o futebol encontrou o seu lar no Brasil.
circo, golpes, flexibilidade ética, máfia…
 
esqueceram que o ex presidente passa as férias num resort público militar
e os seus filhos receberam passaporte diplomático? 
e o povo brasileiro o ama.
o idolatra?
 
this is Brazil.
and we love it.